A Preguiçosa

Criado por Narrador
comer-bem

Era uma vez uma rapariga muito preguiçosa que foi pedida em casamento. O pai da rapariga disse ao pretendente que sua filha não lhe serviria por ser muito desleixada e preguiçosa.
– Deixe-a comigo, respondeu o mancebo, sem desanimar.
E ao fim de pouco tempo casaram e foram viver para outra aldeia.
Logo no dia seguinte ao casamento o marido foi trabalhar para o campo e só voltou a casa ao anoitecer. Foi encontrar a mulher sentada com os braços cruzados, sem jantar feito, a casa por varrer e a loiça por lavar.
O marido não lhe disse nada. Varreu a casa, lavou a loiça, preparou o jantar e sentou-se sozinho a comer.
Ao primeiro bocado que meteu à boca, disse: este é para quem varreu a casa; ao segundo: este é para quem lavou a loiça; ao terceiro: este é para quem fez o jantar. O resto é para quem trabalhou o dia no campo.
E assim comeu o jantar todo.
Em seguida disse para a mulher: Vamo-nos deitar, são horas.
No dia seguinte repetiu-se a mesma cena. Porém, ao terceiro dia, quando regressou a casa, encontrou-a toda varrida, a loiça bem lavada e o jantar preparado. Então, ambos comeram muito satisfeitos.
Dias depois, o pai da rapariga resolveu ir visitar a filha e o genro. Montou a mula e pelo caminho ia pensando:
– O que não irá lá por casa! Uma vergonha certamente! Daquela rapariga não faz o marido nada de jeito. Mas ainda não tinha chegado e já avistara à porta sua filha a fiar à pressa e a gritar-lhe:

– Ó meu pai, salte da mula!
Venha daí trabalhar,
Que na casa do meu «home»
Quem não trabalha não come!

Comentários

a preguicosa,texto a preguicosa,a menina preguiçosa,Contos popupares,menina preguiçosa,texto a menina preguiçosa,texto apreguisosa,menina preguisoca,resumo da historia da mulher preguisosa,menina preguisosa