A Raposa e o Bode

Criado por Narrador
RAPOSA-E-O-BODE

O capitão raposo
Ia caminhando ao lado
Do seu amigo bode,
D’alta armação dotado.

Este não via um palmo
Diante do nariz;
Era formado aquele
Nas burlas mais subtis.

Ungidos pela sede,
Lograram penetrar
Num poço, cujas águas
Sorveram a fartar.

Disse o raposo ao bode:
“O que fazer agora?
Beber não foi difícil;
E sim vir para fora.

As tuas mãos e pontas
Ergue, compadre, acima,
E o corpo sobre o muro
Solidamente arrima.

Subindo por teu lombo,
Trepando na armação,
Alcançarei a borda,
A fim de dar-te a mão.”

BODE

“Por minhas barbas, digo:
Podes ficar ufano!
Jamais eu descobrira
Tão engenhoso plano.

“Safando-se o raposo,
O bode lá deixou;
E sobre a paciência
Este sermão pregou:

RAPOSA

“Se Deus te dera tino
Em dose, à barba igual,
Decerto não caíras
Em arriosca tal.

O caso é que estou fora!
E pois, compadre, adeus!
Livra-te desse apuro,
Dobrando esforços teus.

Veda negócio urgente
Que eu possa ter valer.”
Quem entra numa empresa
O fim deve prever.

Comentários

A raposa e o bode,história sobre gentileza,a raposa] e o bode