Contos Populares




Um pobre homem que, como não tinha nada para oferecer aos seus quatro filhos, pediu-lhes para irem mundo fora e aprenderem um ofício. Os quatro irmãos despediram-se do seu pai e partiram. Ao chegar a um cruzamento, decidiram separar-se, mas combinaram encontrar-se nesse mesmo lugar passados quatro anos.
O irmão mais velho encontrou-se com um homem que lhe perguntou onde é que ele ia.
– Vou aprender um ofício – respondeu.
– Pois vem comigo que eu ensino-te a ser um bom ladrão – propôs-lhe o homem.
O rapaz deixou-se convencer e, com o tempo, transfoumou-se num ladrão muito habilidoso. O segundo irmão, por seu lado, encontrou um astrónomo que prometeu ensinar-lhe o ofício. Quando o aprendeu, o astrónomo disse-lhe:
– Agora já estás preparado. Toma esta luneta que te será muito útil pois com ela podes ver o que os outros humanos não vêem à vista desarmada.
O terceiro irmão conheceu um caçador. Os seus ensinamentos foram tão bons que em pouco tempo aprendeu o ofício na perfeição. Na altura da despedida, o caçador deu-lhe uma espingarda, assegurando-lhe que com ela acertaria sempre no alvo.
O quarto irmão encontrou-se com um homem que lhe perguntou se queria ser alfaiate. No início, o jovem achou que este trabalho era aborrecido, mas com o tempo foi gostando cada vez mais. Quando já era um alfaiate experiente, o homem deu-lhe uma agulha e disse-lhe:
– Já podes ir pelo mundo fora. Com esta agulha e a tua habilidade, poderás coser tudo o que quiseres.
Passaram quatro anos e os irmãos voltaram a encontrar-se. Que alegria sentiram ao estar juntos de novo! Depois de se abraçarem, dirigiram-se todos para casa do seu pai.
Quando chegaram, os quatro foram contando como é que tinha corrido e o que é que tinham aprendido, lá no jardim da casa do pai.
Quando já estavam no jardim, o pai olhou para uma árvore onde havia um ninho de pássaros, e perguntou ao filho astrónomo:
– Diz-me, quantos ovos há nesse ninho?
– Cinco – respondeu o rapaz, olhando pela luneta.
Depois, o filho ladrão disse:
– Para o provar, vou roubar esses ovos sem que a mamã pássaro perceba. O habilidoso rapaz trepou pela árvore e, num abrir e fechar de olhos, apanhou os ovos.
Seguidamente, o filho caçador colocou os ovos em fila e disse ao seu pai:
– Agora vou acertar em todos com um só tiro!
Assim fez o caçador, e por fim chegou a vez do filho alfaiate.
– Eu vou coser tão bem os ovos que ficarão como antes – disse. Tal como os seus irmãos, também o rapaz mostrou a sua grande habilidade.
– Muito bem! – exclamou o pai, orgulhoso.
– Aproveitaram o tempo e todos são mestres nos vossos ofícios!
Pouco depois, os quatro homens ouviram a notícia de que o rei do seu país precisava de ajuda: um dragão tinha raptado a princesa.
Os quatro irmãos decidiram, então, unir os seus esforços para salvar a jovem.
Do barco onde viajavam, o astrónomo observava o horizonte com a sua luneta. Em pouco tempo viu a princesa numa ilhota próxima.
Junto a ela estava o dragão que dormia ao lado da rapariga.
– Posso disparar daqui – disse o caçador -, mas se ferir o dragão e ele cair, vai magoar a princesa.
Então, o ladrão atirou-se à água. Quando chegou à rocha, passou por baixo do dragão e salvou a bela donzela, tão suavemente que o monstro feroz continuou a dormir profundamente.
Quando o monstro acordou e viu que a princesa já não estava lá, foi à sua procura. Viu-a no barco e voou até lá para a ir buscar. Então, o caçador disparou acertando-lhe no coração, e o dragão caiu à água. Mas, quando todos pensavam que já estava morto, saltou para cima do barco e destruiu-o. Depois, afundou-se para sempre nas profundezas do mar. Felizmente, o alfaiate tinha levado a sua agulha maravilhosa. Começou a coser as tábuas umas às outras e com quatro pontos, construiu uma jangada. Sem perder tempo, regressaram ao palácio com a princesa sã e salva.
O rei estava tão contente, que para recompensar os heróis pela sua proeza, prometeu-lhes a mão da sua filha. Como viu que eram quatro, disse:
– Só um pode ter a mão da minha filha. Por isso, vai casar-se com o mais valente dos quatro.
As palavras do rei provocaram um grande reboliço entre os quatro irmãos, pois todos eles queriam merecer essa honra.
– Se eu não tivesse encontrado a princesa com a minha luneta, as vossas habilidades não tinham servido de nada! – exclamou o astrónomo.
– E se eu não a tivesse tirado debaixo do dragão, o que é que tinham feito, hã? – perguntou o ladrão.
– Se a minha bala não o tivesse morto, teria acabado connosco! – replicou o caçador.
– E sem a minha arte, ter-se-iam afogado! – acrescentou, por último, o alfaiate.
Como a princesa não podia casar-se com os quatro, o rei ofereceu-lhes, em troca, metade do seu reino. E foi assim que os quatro irmãos juntaram de novo as suas habilidades para que as suas terras fossem ricas e prósperas.

dragão - Os Quatro Irmãos Habilidosos Os Quatro Irmãos Habilidosos

Um pobre homem que, como não tinha nada para oferecer aos seus quatro filhos, pediu-lhes para irem mundo fora e aprenderem um ofício. Os quatro irmãos despediram-se do seu pai e partiram. Ao chegar a um cruzamento, decidiram separar-se, mas combinaram encontrar-se nesse mesmo lugar passados quatro anos. O irmão mais velho encontrou-se com um homem que lhe perguntou onde é que ele ia.

Ver mais…


gato - O Gato das Botas O Gato das Botas

Há muito tempo atrás morreu um moleiro que tinha três filhos. Era pobre, mas deixou uma coisa para cada um. O mais velho herdou o moinho, o filho do meio um burro e o mais novo um gato. O mais velho tornou-se moleiro como o pai, o segundo partiu na garupa do burro à procura de fortuna e o mais novo sentou-se a chorar.

Ver mais…


serpiente chibi - A Bela e a Cobra A Bela e a Cobra

Era uma vez um rei que tinha três filhas, uma das quais era muito formosa e ao mesmo tempo dotada de boas qualidades. Chamava-se Bela. O rei tinha sido muito rico, mas, por causa de um naufrágio, ficou completamente pobre. Um dia foi fazer uma viagem; antes porém perguntou às filhas o que queriam que ele lhes trouxesse. – Eu, disse a mais velha,

Ver mais…


Rainha das Almofadas de Carolina Siqueira Rogeski Pereira galeria do texto infantil - Rainha das Almofadas Rainha das Almofadas

Eleonor vivia em um reino não tão distante, muito quentinho e confortável, reino que todos conheciam, chamado de Camolândia. Eleonor era princesa deste reino e não havia outro lugar em que ela preferisse estar. Lá ela podia ser o que quisesse, fazer coisas que seriam impossíveis de se fazer em outro lugar qualquer. Eleonor gostava de tudo em seu reino, mas o seu lugar

Ver mais…


el sastrecillo valiente - Alfaiate Valente Alfaiate Valente

Há muito, muito tempo, um alegre alfaiate de quem todos gostavam, porque era muito bom e generoso, ainda que as pessoas não o levassem muito a sério, porque era um grande gabarolas e tinha o hábito de exagerar quando contava as suas aventuras. Um certo dia, o alfaiate estava a coser, muito contente porque lhe tinham oferecido um bolo, que ia comer quando acabasse

Ver mais…


pinto careca - Chanfrisco, o Pinto Careca Chanfrisco, o Pinto Careca

Chanfrisco era o nome daquele pintainho careca, do qual a minha avó costumava contar a sua história. Com apenas três dias e algumas horas, Chanfrisco era um pintainho diferente de todos os seus irmãos. Era aventureiro e desobediente às ordens da sua querida mãe. Esta tinha por hábito, todos os dias de manhãzinha, ir dar uma volta pela quinta, à procura de alguns bichitos

Ver mais…


Jorinde und Joringel by Gold Seven - Jorinda e Joringel Jorinda e Joringel

Uma velha bruxa, de quem todos tinham muito medo, e que vivia num velho castelo situado no meio de um bosque muito denso. Podia transformar-se num gato ou numa coruja e recuperar o seu aspecto normal quando lhe apetecia. Ninguém conseguia aproximar-se do seu castelo sem ficar paralisado por um feitiço. Numa pequena povoação perto do terrível castelo, vivia a rapariga mais bonita de

Ver mais…


palacio - A Menina e o Bicho A Menina e o Bicho

Era uma vez um homem que tinha três filhas. Eram todas muito amigas dele, mas havia uma que ele estimava mais. Foi um dia à feira e perguntou às filhas o que é que elas queriam de lá. Uma delas disse: – Um chapéu e umas botas! A outra disse também: – Um vestido e um xaile! Mas a que ele estimava mais não

Ver mais…


comadre morte - Comadre Morte Comadre Morte

Havia um homem que tinha tantos filhos, tantos que não havia ninguém na freguesia que não fosse compadre dele e vai a mulher teve mais um filho. Que havia do homem fazer? Foi por esses caminhos fora a ver se encontrava alguém que convidasse para compadre. Encontrou um pobrezito e perguntou-lhe se queria ser compadre dele. – Quero; mas tu sabes quem eu sou?

Ver mais…


pedro e o lobo - O Pedro e o Lobo O Pedro e o Lobo

O Pedro era um pastor. O seu trabalho era tomar conta das ovelhas enquanto pastavam. Mas por vezes ficava aborrecido por estar sozinho, sem ninguém com quem brincar e falar. Um dia resolveu fazer uma brincadeira para se divertir. Desatou a gritar: – Lobo, lobo, socorro, está aqui um lobo! Os fazendeiros que ouviram a gritaria desataram a correr para ajudar o Pedro a

Ver mais…