Contos Infantis




Os sapatos

Uma grande empresa americana de calçado desenvolveu um projeclo de exportação de sapatos para a índia. Para isso, enviou dois dos seus consultores a pontos diferentes desse imenso país. Esses técnicos deviam verificar as potencialidades da Índia se tornar num bom mercado para o produto a vender, os sapatos. Após alguns dias de investigações, um dos consultores enviou para a empresa um fax que

Ver mais…


As Formigas puseram tudo a descoberto

O homem caminhava, com cautela, através da floresta. Não havia luar para lhe iluminar o caminho. Mas ele sabia orientar-se na escuridão. Tinha percorrido aquele atalho demasiadas vezes para se poder enganar. De repente abrandou a marcha e dirigiu-se ao tronco oco de uma grande árvore. Pousou o saco que trazia às costas, meteu a mão lá dentro e tirou vários embrulhinhos e sacos

Ver mais…


Esconder

Um dia, os deuses decidiram criar o homem e a mulher à sua imagem e semelhança. Porém, um deles disse: – Se vamos criá-los à nossa imagem e semelhança, irão ser iguais a nós. E então estaremos a criar novos deuses. Devemos tirar-lhe algo. Decidiram então que lhes iriam tirar a felicidade. Mas o problema era onde esconde-la para que nunca a encontrassem. E

Ver mais…


A Cerejeira da Lua

A Lua fita-nos quando a fitamos? Não. Nunca. Se a chamarmos deste canto da Terra, a Dama Toda Branca embuça-se de mistério e faz de conta que é a Bela Adormecida. Presunçosa. Como se toda a gente não soubesse que a Lua deixou de ser inacessível. Botas memoráveis pisaram-lhe a superfície desolada. Satélites zumbem à sua volta. Telescópios potentíssimos perscrutam-lhe todos os socalcos, rugas

Ver mais…


As Palavras

Um dia, as palavras aborreceram-se com as pessoas e decidiram fazer greve. Estavam fartas de ninguém as escutar. As pessoas falavam entre si, mas nunca escutavam os o que diziam os outros. E, como é sabido, uma palavra não escutada cai ao chão e parte-se. É costume ver pedaços de palavras por todas as partes: nas famílias, nos grupos de jovens, nos parlamentos, nas

Ver mais…


Os três cabelos de ouro do diabo

Há muitos e muitos anos, numa casinha pobre, nasceu um menino bonito e forte, mas que, ao contrário de todas as outras crianças, nasceu com todos os dentes na boca. Os pais, assim que o viram, ficaram muito assusta-os, pensando se tratar de alguma bruxaria. As vizinhas, entretanto, os tranquilizaram, dizendo que nascer com dentes era sinal de boa sorte. E uma delas, que

Ver mais…


A Gata Borralheira

Há muito tempo, numa cidade longínqua, vivia um casal que só tinha uma filha, mas muito bonita e muito boa. Num inverno rigoroso a mãe morreu e, desde aquele dia, a vida da menina tornou-se muito triste; além disso, estava quase sempre sozinha, pois o pai era um comerciante rico muitas vezes ausente em viagem por países distantes. – Sei que estás muito desolada

Ver mais…


O Aroma

Uma filha, muito desanimada, contava à mãe as suas desgraças. Tudo lhe corria mal: no trabalho, na família, nos negócios. Depois de a ouvir atentamente, a sua mãe convidou-a a acompanhá-la à cozinha. Aí deu-lhe uma cenoura, um ovo e alguns grãos de café e disse-lhe: — Põe tudo isto a ferver durante alguns minutos. A filha obedeceu. No final, perguntou qual o significado de

Ver mais…


O Cordeirinho Branco

No bosque da nossa história correu, em certa altura, a notícia de que o Cordeirinho Branco ia dar uma festa a todos os seus amigos, os animaizinhos do lugar. -Só falta o Rato -disse o senhor Pato, quando iam em grupo para a casa do Cordeirinho Branco. -Quem é que perguntou por mim? -interrogou o senhor Rato, aparecendo. -Foi o senhor Pato -disse o

Ver mais…


A dança do arco-íris

Há muito e muito tempo, vivia sobre uma planície de nuvens uma tribo muito feliz. Como não havia solo para plantar, só um emaranhado de fios branquinhos e fofos como algodão-doce, as pessoas se alimentavam da carne de aves abatidas com flechas, que faziam amarrando em feixe uma porção dos fios que formavam o chão. De vez em quando, o chão dava umas sacudidelas,

Ver mais…