O Banquete

Criado por Narrador
O BANQUETE

Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorreu a cidade pedindo esmola. Não teve sorte. Uns diziam-lhe palavras ofensivas, outros davam-lhe um pedaço de pão duro, outros atiravam-lhe pedras.
Apenas um casal pobre que habitava num casebre a convidou a entrar, a sentar-se à mesa, servindo-lhe uma sopa quente e mais alguma coisa. A mendiga comeu, despediu-se com um sorriso e partiu.
No dia seguinte, um mensageiro do rei passou por todas as casas deixando um convite para uma festa
no palácio real. Toda a gente ficou feliz. Vestiram as melhores roupas e dirigiram-se para o castelo.
Quando todos estavam na sala do banquete, vieram os serventes com as iguarias.
Imediatamente se ouviram murmúrios de desilusão.
E que os serventes deitavam nos pratos pedaços de pão duro e também pedras. Apenas nos pratos de um casal pobre, sentado a um canto, eram colocadas ricas e saborosas iguarias.
De improviso, entra na sala a mendiga do dia anterior. Despe os trajes de pedinte e aparece com o vestido de rainha.

Costuma dizer-se que, tal como tratarmos os outros, assim seremos tratados. A conclusão é muito simples: tratemos os outros como gostaríamos que nos tratassem a nós. Se damos pedras, não esperemos receber dos outros pão.

Comentários

o banquete fabula