Os Fósforos

Criado por Narrador
OS FÓSFOROS

Um dia, um viajante atravessava um bosque num dia de ventania. Cansado depois de muitas horas de cavalgar, achou que tinha chegado o momento de parar c acender um cigarro.
Desceu do cavalo e tirou um cigarro do maço. Mas na caixa só encontrou dois fósforos. Experimentou o primeiro, que não se acendeu. Disse para consigo.
— E agora? Tenho um enorme desejo de fumar e possuo apenas um fósforo. E se calhar também este não se vai acender! Que pouca sorte eu tenho!
E continuou a falar para os seus botões:
— Mas suponhamos que este fósforo se acende e eu fumo o cigarro e atiro a beata para o chão. A erva seca poderia começar a arder, pois está ressequida.
E, enquanto eu tentaria apagar as chamas, elas poderiam-me fugir e queimar toda esta planície. Depois as chamas, levadas pelo vento, pegariam fogo a toda a floresta. E o incêndio tomar-se-ia incontrolável, levando o fogo até à aldeia mais próxima, queimando as casas e deixando atrás de si apenas cinza e morte.
Tudo depende deste fósforo que tenho na mão.
Depois desta reflexão, riscou nervosamente o fósforo que, felizmente, não se acendeu.

Com um fósforo podemos acender uma fogueira para aquecer do frio, mas também podemos provocar uma tragédia como é um incêndio. A reflexão do fumador fica aqui na sua simplicidade: o fósforo pode espalhar a morte.

Comentários