Warning: Missing argument 2 for wpdb::prepare(), called in /home/historia/public_html/wp-content/plugins/fast-wordpress-search/fwp-search.php on line 210 and defined in /home/historia/public_html/wp-includes/wp-db.php on line 992

Poesia sobre o dia do soldado

Está a visualizar Fábulas Infantis, Fábulas Infantis, e/ou outras publicações relacionadas com a sua pesquisa por Poesia sobre o dia do soldado. Descubra os textos mais populares que são didácticos e educativos.





Outras Histórias Relacionadas:

O Soldado João

Era uma vez um soldado chamado João. Vinha de sachar milho, de regar cravos, de semear couves e manjericos. Agora, toca a marchar, de espingarda ao ombro, mochila às costas, botas de cano, farda a rigor. Pelos campos fora, o soldado João era a vergonha dos batalhões. Trazia uma flor ao peito, punha as mãos nas algibeiras, coçava o nariz, não acertava o passo.
Ler mais »


A Sónia e o autocarro da escola

Era o primeiro ano em que a Sónia ia à escola. O quarteirão onde ela vivia com os pais, tinha sido acrescentado com muitos blocos novos, nos últimos anos. Por isso passou a haver tantas crianças, que a cidade não conseguia construir escolas suficientes. Muitos alunos tinham de ir às escolas de outros bairros. A rua era larga e perigosa, com muitos carros a
Ler mais »


A princesa Dos Sapatos Vermelhos

Um rei que tinha três filhas, todas elas muito bonitas. Dormiam juntas no mesmo quarto e com as camas umas ao lado das outras. O rei, que era muito desconfiado, fechava sempre a porta à chave, quando se iam deitar. Mas uma manhã, quando voltou a abri-la, descobriu com espanto que as solas dos sapatos da sua filha mais velha estavam gastas. Passado algum
Ler mais »


Menino-soldado

Nos belos olhos azuis do menino do Congo, a esperança naufragada procurava, ansiosamente, uma praia. Ele ainda não sabia que uma insaciável sede de lucro e de poder não parava de moer e de reduzir a pó o seu direito de viver e de ser feliz. O ouro e os diamantes, que feriam as mãos dos seus pais, nas minas, transformaram-se em armas para
Ler mais »


A Raposa e o Bode

O capitão raposo Ia caminhando ao lado Do seu amigo bode, D’alta armação dotado. Este não via um palmo Diante do nariz; Era formado aquele Nas burlas mais subtis. Ungidos pela sede, Lograram penetrar Num poço, cujas águas Sorveram a fartar. Disse o raposo ao bode: “O que fazer agora? Beber não foi difícil; E sim vir para fora. As tuas mãos e pontas
Ler mais »


Os pés sensíveis

No tempo em que todos andavam descalços, havia um chefe que tinha os pés sensíveis. Sofria muito quando tinha de caminhar sobre as pedras ou sobre o solo rochoso. Depois de ter pensado muito, tomou uma solene decisão. Chamou os seus guerreiros e disse-lhes: – Ide e parti para a caça. Deveis caçar todos os bisontes do país. Depois de os matarem, irei cobrir
Ler mais »


O Floco De Neve

Uma vez, um pássaro perguntou a uma pomba amiga quanto pesava um floco de neve. A pomba respondeu: — Nada. Não pesa mesmo nada. Por que me perguntas isso? O pássaro respondeu-lhe: — É que ando a pensar no que vi há pouco tempo. A pomba perguntou: — Que foi? Foi então que o pássaro contou o seguinte: — Estava eu pousado num ramo
Ler mais »


O Duende da Mercearia

Era uma vez um estudante, um autêntico estudante; vivia num sótão e não possuía nada. E era uma vez um merceeiro, um autêntico merceeiro; vivia no rés-do-chão e era dono do prédio inteiro. E foi por isso que o duende decidiu morar com o merceeiro. Além disso, todos os Natais recebia uma tigela de papa de aveia com um grande pedaço de manteiga lá
Ler mais »


O Extraterrestre, o Feiticeiro e o Monstro

Uma vez, há muito, muito tempo, aconteceu algo de invulgar. Um extraterrestre, daqueles vulgares que estamos habituados a imaginar, visitou a Terra. Mas fê-lo com um propósito. Veio em busca da sua pomba que fugiu, enquanto o extraterrestre puxava lustro à sua nave. Chegou vestido de soldado, para não levantar suspeitas. Como era muito sociável, rapidamente encontrou um pequeno feiticeiro, mais ou menos da
Ler mais »


A Raposa e o Tambor

Conta-se que uma raposa esfomeada chegou a um bosque onde, ao lado de uma árvore, havia um tambor, que soava furiosamente cada vez que, ao sopro do vento, os ramos da árvore se moviam e batiam nele. Ao ouvir tal ruído, a raposa dele se aproximou e, já em frente ao tambor, pensou: “Este deve conter muita carne e muita gordura.” Lançou-se sobre ele
Ler mais »



~ Search results for "poesia sobre o dia do soldado" | Historias e Contos Infantis ~