Warning: Missing argument 2 for wpdb::prepare(), called in /home/historia/public_html/wp-content/plugins/fast-wordpress-search/fwp-search.php on line 419 and defined in /home/historia/public_html/wp-includes/wp-db.php on line 1154

texto sobre higiene corporal para ensino fundamental

Você está a ver contos e histórias , contos e histórias e / ou outros itens relacionados com a sua pesquisa texto sobre higiene corporal para ensino fundamental. Encontre as melhores soluções de histórias para ler.



Aranha - Desenhos para Colorir (3) A Aranha

Era uma vez uma velha aranha que recebeu a visita da sua jovem neta, vinda da cidade. Ao observar a teia, a neta, que era universitária, começou a dizer à avó que estava antiquada no seu modo de fazer as teias. Disse-lhe: — Avó, agora toda a gente fala das novas tecnologias, que é preciso modernizar-se. Tem de pensar em fazer reformas na sua

Ver mais…


images Os pés sensíveis

No tempo em que todos andavam descalços, havia um chefe que tinha os pés sensíveis. Sofria muito quando tinha de caminhar sobre as pedras ou sobre o solo rochoso. Depois de ter pensado muito, tomou uma solene decisão. Chamou os seus guerreiros e disse-lhes: – Ide e parti para a caça. Deveis caçar todos os bisontes do país. Depois de os matarem, irei cobrir

Ver mais…


RAPOSA-E-O-BODE A Raposa e o Bode

O capitão raposo Ia caminhando ao lado Do seu amigo bode, D’alta armação dotado. Este não via um palmo Diante do nariz; Era formado aquele Nas burlas mais subtis. Ungidos pela sede, Lograram penetrar Num poço, cujas águas Sorveram a fartar. Disse o raposo ao bode: “O que fazer agora? Beber não foi difícil; E sim vir para fora. As tuas mãos e pontas

Ver mais…


Arco-íris_de_luz_EG Sobre o arco-íris

Era uma vez uma menina chamada Luz. Era branquinha e especial como realmente luz, era sensível e amada como claramente um anjo. Luz era sempre acompanhada de sua cachorrinha: Marie. E viviam as duas sempre brincando no campo , correndo de um lado para o outro no pôr do Sol , sem rumo ! A vida era vista como um mar de rosas para

Ver mais…


70903_snezhinka_sneg_goluboe_beloe_1600x1200_(www.GdeFon.ru) O Floco De Neve

Uma vez, um pássaro perguntou a uma pomba amiga quanto pesava um floco de neve. A pomba respondeu: — Nada. Não pesa mesmo nada. Por que me perguntas isso? O pássaro respondeu-lhe: — É que ando a pensar no que vi há pouco tempo. A pomba perguntou: — Que foi? Foi então que o pássaro contou o seguinte: — Estava eu pousado num ramo

Ver mais…


761833799_302578 Nina e o laço

Um cadarço, duas pontas me embaraço, num enrosco meio frouxo, meio torto e num abraço… fez-se o laço! * sobre:aprendendo a amarrar o calçado.


janela e montanha A Janela e a Montanha

A janela abria para a frente, para fora, para o ar lavado da montanha. Quem dormisse naquele quarto, ao saltar da cama, de manhã, abria a janela de dois batentes como se estivesse a respirar fundo. Enchia os pulmões de ar e os olhos de claridade. Era o primeiro exercício de ginástica. Podia ficar por aqui, de cotovelos sobre o parapeito, a apreciar a

Ver mais…


cao-com-um-osso-animais-caes-pintado-por-laila-1018985 O Cão e o Osso

Uma vez um cão roubou um osso a um carniceiro. Depois fugiu pela rua abaixo a toda a velocidade, atravessou a aldeia e as colinas, e foi ter a uma ponte de madeira sobre um regato. Parou em cima dela, ofegante, para olhar a água limpa e mansa. E deu um pulo de espanto. A olhar para ele, debaixo da água, estava outro cão.

Ver mais…


natal A lenda do Pinheiro de Natal

Há muito, muito tempo, na noite de Natal, existiam três árvores junto do presépio: uma tamareira, uma oliveira e um pinheiro. Ao verem o Menino Jesus nascer, as três árvores quiseram oferecer-lhe um presente. A oliveira foi a primeira a oferecer, dando ao Menino Jesus as suas azeitonas. A tamareira, logo a seguir, ofereceu-lhe as suas doces tâmaras. Mas o pinheiro, como não tinha

Ver mais…


OS FRUTOS Os Frutos

Uma vez, uma mulher viu na floresta, junto a umas árvores, um pequenino lago ou espelho de água. Olhou para dentro e viu belos frutos maduros que pareciam dizer-lhe: «Tomai-me e comei-me!» Estendeu o braço e mergulhou a mão na água para os colher mas desapareceram. Depois a água voltava a ficar límpida e apareciam de novo os saborosos frutos. E a mulher foi

Ver mais…