Autores




Era uma vez…

Um homem e uma mulher que viviam junto à horta de uma bruxa, cheia de bonitas plantas e hortaliças.
Um dia, a mulher, que estava grávida, teve um desejo atroz de comer rapôncios!
– Vai à horta aqui ao lado e traz-me um bom molho deles!
O marido, que gostava muito da sua mulher, obedeceu de imediato. Saltou o muro que separava a sua casa da horta da bruxa e, quando estava a apanhar os rapôncios, apareceu a velha aos gritos:
– Como te atreves a entrar na minha horta e roubar-me os rapôncios? Vais-te arrepender! – exclamou.
– Tenha piedade! Respondeu o homem.
A minha mulher está à espera de um bebé e teve um desejo de comer rapôncios…
– Assim sendo – interrompeu a bruxa – podes levar todos os rapôncios que quiseres, mas com uma condição. Quando nascer essa criança entregas-ma para eu cuidar dela!
Cheio de medo, o homem aceitou. Alguns meses mais tarde, quando a mulher deu à luz uma bonita menina, a quem chamaram Rapunzel, o casal, com muita tristeza, entregou-a à bruxa. A menina cresceu bonita e saudável, com uns longos cabelos, reluzentes como o ouro. Ao completar doze anos, a sua raptora fechou-a numa torre muito alta que não tinha porta nem escadas para chegar até ela.
A pobre menina, como não tinha mais nada para fazer, passava o tempo a tocar com a sua harpa uma triste melodia.
Alguns anos depois, passou por ali por acaso um jovem príncipe que, atraído pela bonita música de Rapunzel, resolveu parar. Quis entrar na torre, mas não encontrou nenhuma porta e regressou ao palácio.
Mas a curiosidade do príncipe por essa misteriosa melodia era tão forte, que todos os dias ia ao pé da torre para a ouvir.
Um dia, ao chegar à torre, ouviu a bruxa que gritava: – Rapunzel, deixa cair os teus cabelos!
Depois, a jovem fez deslizar as suas suaves tranças pela janela e a bruxa trepou por elas. «Se é assim que se chega ao cimo da torre, amanhã volto cá e faço o mesmo!», pensou o príncipe. No dia seguinte, antes de anoitecer, o jovem regressou à torre e, imitanto a voz da bruxa, gritou:
– Rapunzel, deixa cair as tuas tranças!
De imediato, deslizaram as tranças de ouro da rapariga e o príncipe trepou por elas.
No início, a jovem assustou-se com a presença do príncipe porque, além da velha bruxa, nunca tinha visto mais nenhuma pessoa. Mas aos poucos Rapunzel foi perdendo o medo quando o jovem lhe contou que estava ali porque a sua música o tinha impressionado tanto como o impressionava agora a sua beleza.
O príncipe, comovido com a tristeza e solidão em que Rapunzel vivia, convidou-a para abandonar a torre e ir embora com ele. Finalmente ia acabar com a sua clausura para sempre!
Mas, como sairiam dali? A jovem não podia utilizar os seus próprios cabelos para descer da torre.
Na visita seguinte, o príncipe levou-lhe uma porção de fitas de seda, para com elas tecer uma escada e assim poder deslizar para o chão.
Depois fugiram juntos, a galope, até ao castelo do príncipe. Mas a velha bruxa estava a ver tudo através da sua bola de cristal.
– Ah, sua mal agradecida! Vais pagar por isto! – exclamou enraivecida.
Na manhã seguinte, a bruxa dirigiu-se à torre furiosa. Num ataque de raiva, agarrou os cabelos de Rapunzel e cortou-lhe as suas bonitas tranças com uma tesoura. Depois obrigou-a a acabar a escada de seda que estava a fazer e levou-a para uma gruta escondida na floresta. A bruxa malvada deixou ali a infeliz jovem e regressou à torre, disposta a vingar-se do príncipe. Subiu pela escada de seda; depois retirou-a e, no seu lugar, colocou as tranças que tinha cortado a Rapunzel. O príncipe não tardou a chegar e, sem perder tempo, começou a trepar por elas.
Quando chegou ao cimo da torre, o príncipe, em vez de encontrar a sua amada, deu de caras com a bruxa, que o olhou com olhos de quem se queria vingar.
– Ah ah! Querias fugir com a minha menina, mas ela não está aqui! – disse-lhe.
– Nunca mais a vais voltar a ver!
Foi tal a surpresa do príncipe que perdeu o equilíbrio e foi cair em cima de uns espinhos que se espetaram nos seus olhos, deixando-o cego.
Enquanto o príncipe tentava pôr-se de pé e andar, a bruxa regressou a sua casa muito contente, pensando que o jovem tinha morrido na queda. E como tinha outra vez a rapariga em seu poder, deu-se por satisfeita com a sua vingança. «Voltou tudo ao normal!», pensava.
Desde então, o príncipe vagueou de um lado para o outro, sem rumo, chorando a perda da sua amada Rapunzel. Um dia, por acaso, chegou perto da gruta onde a jovem estava prisioneira. O príncipe ouviu sair lá de dentro a bonita melodia de que tanto gostava. Pegou numa grande pedra e atirou-a com toda a força contra a grade que impedia a entrada. Depois de entrar, Rapunzel reconheceu-o e correu feliz para os seus braços.
– Meu amor! – exclamou entre soluços. Pensava que nunca mais te voltaria a ver!
A jovem apaixonada chorou tanto que as lágrimas inundaram os olhos do príncipe, devolvendo-lhe a visão.
A alegria de ambos foi imensa. O jovem tinha recuperado ao mesmo tempo a sua visão e a sua querida Rapunzel. Então, sem mais demoras, partiram velozes para o castelo do príncipe, onde foram recebidos com todas as honras.
Uns meses mais tarde casaram-se e viveram felizes durante muitos anos, a salvo da bruxa malvada.

skazki 0054 - Rapunzel Rapunzel

Era uma vez… Um homem e uma mulher que viviam junto à horta de uma bruxa, cheia de bonitas plantas e hortaliças. Um dia, a mulher, que estava grávida, teve um desejo atroz de comer rapôncios! – Vai à horta aqui ao lado e traz-me um bom molho deles! O marido, que gostava muito da sua mulher, obedeceu de imediato. Saltou o muro que

Ver mais…


comadre morte - A Morte e o desgraçado A Morte e o desgraçado

De feixes de Montano assoberbado Pobre Matteiro, que co’a carga verga Vinha gemendo, a passos mal seguros, Em busca da palhoça fumarenta. Mais nao podendo já, débil, anciado, Deita os feixes no chão, recorda penas. (Mat) Soube eu, desde que hei nascido, o que era gosto? Há quem mais pobre que eu, no mundo seja? Nunca hora de descanso, e o pão nem sempre!

Ver mais…


flora - A Revolta da Flora A Revolta da Flora

No tempo em que as plantas falavam, as frutas andavam e as hortaliças tinham opinião própria, os problemas começavam a surgir com as plantas. A flora toda estava revoltada com tanta cobrança. Não entendeu? As hortaliças sofriam muito para serem cultivadas. O agrião tem o ciclo de 50 dias nas regiões quentes e 70 dias na época fria, suas sementes tinham que ficar encharcadas,

Ver mais…


pomba e formiga - A Pomba e a Formiga A Pomba e a Formiga

Enquanto a sede uma pomba Vê por um triste desastre Cair n’água uma formiga. Naquele vasto oceano A pobre luta, e braceja, E vir à margem da fonte Inutilmente deseja. A pomba, por ter dó dela, N’água uma ervinha lhe lança; Neste vasto promontório A triste salvar-se alcança. Na terra a põe uma aragem; E livre do precipício, Acha logo ocasião De pagar o

Ver mais…


ZORRA FABULA - A Raposa e as Uvas A Raposa e as Uvas

Certa raposa matreira, que andava à toa e faminta, ao passar por uma quinta, viu no alto da parreira um cacho de uvas maduras, sumarentas e vermelhas. Ah, se as pudesse tragar! Mas lá naquelas alturas não as podia alcançar. Então falou despeitada: – Estão verdes essas uvas. Verdes não servem pra nada! Como não cabem quatro mãos em duas luvas, há quem prefira

Ver mais…


princess - A Princesa e a ervilha A Princesa e a ervilha

Era uma vez um príncipe que queria casar com uma princesa — mas tinha de ser uma princesa verdadeira. Por isso, foi viajar pelo mundo fora para encontrar uma, mas havia sempre qualquer coisa que não estava certa. Viu muitas princesas, mas nunca tinha a certeza de serem genuínas havia sempre qualquer coisa, isto ou aquilo, que não parecia estar como devia ser. Por

Ver mais…


gato - O Gato das Botas O Gato das Botas

Há muito tempo atrás morreu um moleiro que tinha três filhos. Era pobre, mas deixou uma coisa para cada um. O mais velho herdou o moinho, o filho do meio um burro e o mais novo um gato. O mais velho tornou-se moleiro como o pai, o segundo partiu na garupa do burro à procura de fortuna e o mais novo sentou-se a chorar.

Ver mais…


caperucita roja 803485 - O Capuchinho Vermelho O Capuchinho Vermelho

Era uma vez uma linda menina que vivia numa aldeia do bosque e de quem todos gostavam muito por ser muito boa e simpática. Um dia a mãe fez-lhe um capucho vermelho para ela levar para a escola. No trajecto e como era hábito, a menina cumprimentava os animaizinhos, pois conhecia-os e era amiga de todos. Ao vê-la tão bonita com o seu novo

Ver mais…


escaravelho e aguia - A Águia e o Escaravelho A Águia e o Escaravelho

Uma lebre corria a não mais poder em direção à sua toca, fugindo à perseguição da águia. E em sua desabalada carreira, passou pela casa do escaravelho. Não era propriamente uma casa de segurança, mas, na falta de algo melhor, resolveu a fugitiva homiziar-se lá mesmo. Já se precipitava a águia sobre a frágil guarida, quando o escaravelho, com intenção de salvar a agora

Ver mais…


la cigarra - A Cigarra e a Formiga A Cigarra e a Formiga

Num dia soalheiro de Verão, a Cigarra cantava feliz. Enquanto isso, uma Formiga passou por perto. Vinha afadigada, carregando penosamente um grão de milho que arrastava para o formigueiro. – Por que não ficas aqui a conversar um pouco comigo, em vez de te afadigares tanto? – Perguntou-lhe a Cigarra. – Preciso de arrecadar comida para o Inverno – respondeu-lhe a Formiga. – Aconselho-te

Ver mais…