Fábulas De La Fontaine




Uma cabra, um carneiro e um porco gordo,
Juntos num carro, iam à feira. Creio
Que todo meu leitor será de acordo
Que não davam por gosto esse passeio.

O porco ia em grandíssimo berreiro
Ensurdecendo a gente que passava;
E tanto um como outro companheiro
Daquela berraria se espantava.

Diz o carneiro ao porco: – Por que gritas,
Animal, inimigo da limpeza?
Por que, trombudo bruto, não imitas
Dos companheiros teus a sisudeza?

– Sisudos, dizes?!… Quer-me parecer
Que não têm a cabeça muito sã
Porque pensam que apenas vão perder,
A cabra o leite, o companheiro a lã.

Mas eu, que sirvo só para a lambança,
Envio um terno adeus ao meu chiqueiro…
Pois cuido que à goela já me avança
O agudo facalhão do salsicheiro!

Pensava sabiamente este porco,
Mas para que, pergunto eu? Se o mal é certo,
É surdo as nossas queixas o destino;
E o que menos prevê é o mais esperto.

Jean La Fontaine nasceu em uma pequena cidade da região de Champagne, chamada Chateau-Thierry, durante a Idade Moderna. Filho de um inspetor de águas e florestas, estudou teologia em Paris. Por gostar muito de literatura, Jean escreveu contos, poemas e fábulas.

Ficou conhecido após publicar um livro chamado “Fábulas Escolhidas”, em 1668. No livro, havia 124 fábulas, eram histórias de animais que, sempre ao final, continha um lição de moral. La Fontaine resgatou fábulas do grego Esopo e do romano Fedro, e também criou suas próprias, as mais conhecidas são “A formiga e a cigarra” e “A raposa e as uvas”.

Em 1654, entrou para o mundo da literatura. Até 1694, foram lançadas mais 11 coletâneas. No prefácio da primeira coletânea, deixou uma mensagem para os seus leitores: “ Sirvo-me de animais para instruir os homens”. Em 1695, La Fontaine morreu e foi considerado o pai da fábula moderna. Até hoje os seus ensinamentos são passados.

porco e carneiro - O Porco, a Cabra e o Carneiro O Porco, a Cabra e o Carneiro

Uma cabra, um carneiro e um porco gordo, Juntos num carro, iam à feira. Creio Que todo meu leitor será de acordo Que não davam por gosto esse passeio. O porco ia em grandíssimo berreiro Ensurdecendo a gente que passava; E tanto um como outro companheiro Daquela berraria se espantava. Diz o carneiro ao porco: – Por que gritas, Animal, inimigo da limpeza? Por

Ver mais…


cotovia - A Cotovia e os Filhos A Cotovia e os Filhos

Uma idosa cotovia, Na meiga flórea estação, Foi mais tardia que as outras Na sua propagação; Entre um pingue seara; Que estava quase madura, Tinha arranjado o seu ninho E feito a sua postura; Já pelos ares se viam De novas aves cardumes, E inda os filhos da ronceira Estavam todos implumes. Já seca a seara estava, E o dono da sementeira, Vindo vê-la

Ver mais…


la liebre y la tortuga - A Lebre e a Tartaruga A Lebre e a Tartaruga

“Apostemos, disse à lebre A tartaruga matreira, Que eu chego primeiro ao alvo Do que tu, que és tão ligeira!” Dado o sinal da partida, Estando as duas a par, A tartaruga começa Lentamente a caminhar. A lebre, tendo vergonha De correr diante dela, Tratando uma tal vitória De pêta ou de bagatela, Deita-se, e dorme o seu pouco; Ergue-se, e põe-se a observar

Ver mais…