Histórias




Era uma vez, numa terra colorida e feliz, um vendedor de sonhos que transportava o seu carrinho com sonhos lá dentro!
Eu adorava a quinta-feira, era quando o vendedor de sonhos ia lá à minha rua para vender os seus sonhos.
Quando acordava de manhã, ia logo lá para fora para ver se o via e a minha mãe dizia-me:
_ Está muito frio, leva o casaco…
Eu ia e até me esquecia do casaco e não tinha frio porque só a ideia de ter um sonho lindo me aquecia…
Corria então para o passeio e quando ouvia um assobio, já sabia que era ele que estava a chegar…Pegava nas minhas moedas e perguntava:
_ Ó senhor vendedor de sonhos, que sonhos é que traz hoje no seu carrinho?
_ Ó meu amiguinho – dizia ele – que sonho é que querias hoje?
_Eu queria assim um muito lindo, com serpentinas e guloseimas e…
Mas entretanto chegou o Mário, o meu vizinho e amigo de infância que perguntou:
_ Senhor, quero um sonho onde o meu irmão fique melhor….ele está muito doente, em casa e a minha mãe não tem dinheiro para os remédios…por favor…
_Ó Mário, meu querido, não tenho esse sonho hoje, muita gente anda a pedi-lo e está esgotado!!!
Mário suspirou de desconsolo e foi-se embora cabisbaixo.
Então eu fui atrás dele, e disse-lhe:
_ Olha amigo, eu hoje comprei este sonho com serpentinas e guloseimas e não preciso dele…se quiseres podes levá-lo para o teu irmão…
_ Obrigado, disse o Mário, mas eu precisava mesmo era de um sonho que curasse o meu mano!
Então eu enchi-me de pena e fui outra vez ter com o vendedor….
_ Senhor, por favor, dê-me um sonho que tenha lá dentro muita esperança e fé…assim bastante colorido e risonho!
_ Oh, sim tenho exatamente aquilo de que precisas!
E o vendedor de sonhos tirou lá de dentro um sonho maravilhoso que até brilhava de tão lindo que era.
Eu fui a correr à procura do Mário e dei-lhe o sonho.
Quando ele o recebeu, o seu sorriso reapareceu e as suas feições ficaram iluminadas!
Vos digo que foi a melhor coisa que poderia ter feito. O Mário repartiu o sonho que eu lhe dei com a mãe e o irmão…e passados uns meses o irmão de Mário já andava a brincar connosco na rua!!!

serpentinas - O vendedor de sonhos O vendedor de sonhos

Era uma vez, numa terra colorida e feliz, um vendedor de sonhos que transportava o seu carrinho com sonhos lá dentro! Eu adorava a quinta-feira, era quando o vendedor de sonhos ia lá à minha rua para vender os seus sonhos. Quando acordava de manhã, ia logo lá para fora para ver se o via e a minha mãe dizia-me: _ Está muito frio,

Ver mais…


brother bear 38925 - Um Ursinho na Sibéria Um Ursinho na Sibéria

“Chegou a altura de procurarmos uma caverna, onde possamos dormir, durante os dias frios de inverno”, disse a mamã urso ao seu ursinho, um belo dia de Outono. “Eu não quero dormir”. respondeu o filhote. “Quero brincar ao sol e trincar os rebentos dos arbustos e das árvores”. Então a mãe respondeu: “a nossa caverna actual é grande demais, e muito desabrigada para o

Ver mais…


skazki 0054 - Rapunzel Rapunzel

Era uma vez… Um homem e uma mulher que viviam junto à horta de uma bruxa, cheia de bonitas plantas e hortaliças. Um dia, a mulher, que estava grávida, teve um desejo atroz de comer rapôncios! – Vai à horta aqui ao lado e traz-me um bom molho deles! O marido, que gostava muito da sua mulher, obedeceu de imediato. Saltou o muro que

Ver mais…


homem trabalhando colorir profissao 13 - O marmorista O marmorista

O gravador de lápides funerárias poisou o cinzel e disse: — Terminei. O homem examinou a pedra: as duas datas 1920 e 2003 separadas por um pequeno traço de dois centímetros. Depois abanou a cabeça e disse: — Não sei como me explicar, mas parece-me muito pouco. Veja, o meu pai teve uma vida cheia e longa. Desejaria que ficasse gravado no mármore de

Ver mais…


farol 3946156 - O Farol O Farol

Era uma vez um farol que estava num cabo junto ao mar. Sentia-se muito triste pois julgava que não servia para nada. Via os barcos a passarem no alto mar, e parecia-lhe que nenhum deles lhe ligava importância. Ele cada vez iluminava mais os seus faróis mas os barcos, ao verem a sua luz, afastavam-se. Bem desejava que se aproximassem dele para poder conversar

Ver mais…


OS FÓSFOROS - Os Fósforos Os Fósforos

Um dia, um viajante atravessava um bosque num dia de ventania. Cansado depois de muitas horas de cavalgar, achou que tinha chegado o momento de parar c acender um cigarro. Desceu do cavalo e tirou um cigarro do maço. Mas na caixa só encontrou dois fósforos. Experimentou o primeiro, que não se acendeu. Disse para consigo. — E agora? Tenho um enorme desejo de

Ver mais…


elefante3 - Os Elefantes Os Elefantes

Há muitos anos havia no mundo elefantes negros e elefantes brancos. Amavam os outros animais mas odiavam-se entre si. Os brancos viviam num lado e os negros no lado oposto. Um dia, os elefantes negros decidiram matar os elefantes brancos e os elefantes brancos decidiram matar os elefantes negros. Havia elefantes de ambos os grupos que queriam fazer as pazes, mas esses tiveram de

Ver mais…


rainbow feather wallpaper 1280x800 - As penas que não se queriam deixar apanhar As penas que não se queriam deixar apanhar

O Marcos era um rapazinho curioso. Sempre que a mãe lhe dizia que não mexesse nisto ou naquilo, era exactamente isso que o atraia imediatamente. Ia sempre mexer onde menos devia. Certo dia, viu uma caixa no quarto da mãe. “O que é que há lá dentro?” perguntou à mãe. “Não mexas! Mostrar-te-ei assim que tiver ocasião”, foi a resposta. Então, mais uma vez,

Ver mais…


BingoPS PSD - A escolha A escolha

Um homem sentia-se continuamente oprimido pelas dificuldades da vida. Foi lamentar-se com um mestre espiritual e disse-lhe: — Não posso mais! Esta vida é-me insuportável! O mestre pegou então numa mão-cheia de cinzas e deixou-as cair num copo de água límpida que tinha sobre a mesa, dizendo: — Estes são os teus sofrimentos. Toda a água ficou turva e suja. O mestre entornou-a. Em

Ver mais…


comadre morte - A Morte e o desgraçado A Morte e o desgraçado

De feixes de Montano assoberbado Pobre Matteiro, que co’a carga verga Vinha gemendo, a passos mal seguros, Em busca da palhoça fumarenta. Mais nao podendo já, débil, anciado, Deita os feixes no chão, recorda penas. (Mat) Soube eu, desde que hei nascido, o que era gosto? Há quem mais pobre que eu, no mundo seja? Nunca hora de descanso, e o pão nem sempre!

Ver mais…