Contos Populares




Dois estudantes encontraram numa estrada um azeiteiro que levava pela rédea um burro carregado de bilhas de azeite. E repararam que o azeiteiro batia, sem dó nem piedade, com o chicote no pobre burro. Este, provavelmente porque já vinha de muito longe, ia cansado, subindo a encosta a custo e ao ritmo das chicotadas do dono.
– Deve ser já muito velho, ou então, está doente – disse um dos estudantes para o outro.
– Seja como for, o certo é que o azeiteiro só pensa no seu dinheiro – disse o outro, também indignado com aquela brutalidade.
– E se fôssemos explicar-lhe que é desumano tratar assim o animal?
– Não ganhamos nada com isso!
– Tens razão, ele deve ser um grande sovina. Podemos é ainda receber alguma chicotada como paga de nos termos intrometido na sua vida.
– É isso mesmo. Então arriscar por arriscar, vamos salvar o burro e, ao mesmo tempo, salvar a nossa situação.
– Que queres dizer?
– Não estamos aflitos, sem dinheiro?
– Se estamos! E daí?
– Tive uma ideia. Vamos roubar o burro e vendê-lo. É bom para nós que precisamos de dinheiro e bom para o burro que, com certeza, vai passar a ter um dono melhor.
Então o estudante que teve a ideia transmitiu-a ao outro e colocaram-na em prática.
Enquanto um dos estudantes distraiu o azeiteiro perguntando qual o caminho mais perto para alcançar uma certa aldeia, o outro soltou o burro, escondeu-o e colocou no seu próprio pescoço a cabeçada do burro.
O azeiteiro, quando voltou para trás e viu um homem no lugar do burro, ia desmaiando.
Então o estudante-feito-burro disse com muita calma:
– Ah, senhor, quanto lhe agradeço ter-me dado tanta pancada na cabeça! Foi assim que me quebrou o encanto que durante tantos anos me fez passar por burro! A mim, Príncipe do reino da Felicidade.
Então o azeiteiro tirou o chapéu e disse-lhe muito humildemente:
– Perdi em Vossa Alteza um burro, mas paciência! Como Príncipe que agora é, peço-lhe muitas desculpas por tê-lo maltratado tantas vezes.
– Está perdoado. Só lhe peço que me deixe ir agora depressa para o meu reino… Na Corte devem estar todos preocupados com a minha longa ausência.
No dia seguinte, o labrego do azeiteiro foi à feira comprar outro burro. E curiosamente foi lá encontrar o jumento que lhe tinha pertencido.
O azeiteiro, julgando então que o príncipe-burro se tinha transformado de novo no seu burro, chegou-se ao pé do outro estudante, que ele não reconheceu porque estava bem disfarçado, e pediu-lhe licença para dizer um segredo ao burro. O estudante disse-lhe que sim e o azeiteiro, chegando-se próximo da orelha do animal, gritou com toda a força:
– Olhe, senhor Príncipe, quem o não conhecer que o compre!

burro - O Burro do Azeiteiro O Burro do Azeiteiro

Dois estudantes encontraram numa estrada um azeiteiro que levava pela rédea um burro carregado de bilhas de azeite. E repararam que o azeiteiro batia, sem dó nem piedade, com o chicote no pobre burro. Este, provavelmente porque já vinha de muito longe, ia cansado, subindo a encosta a custo e ao ritmo das chicotadas do dono. – Deve ser já muito velho, ou então,

Ver mais…


bruxa - O Menino Sem Olhos O Menino Sem Olhos

Uma mãe teve dois filhos. Eles foram pedir esmola, que não tinham nada. Ela deu-lhes um farnel e perguntou-lhes se queriam ambos comer da mesma vasilha ou levar cada um o seu farnel. O mais velho disse que era melhor cada um levar o seu farnel. Assim foi, no caminho o irmão mais novo perguntou ao irmão se era melhor comerem cada um do

Ver mais…


Macacos C 2 - Macacos de Imitação Macacos de Imitação

Havia um homem que negociava em barretes encarnados. Ora uma vez em África, ao atravessar o sertão, sentiu tanto calor que resolveu descansar à sombra de uma árvore, pondo um dos barretes na cabeça para evitar que alguns raios de sol, que se infiltravam pelos ramos, o incomodassem. Colocou, ao lado, a mala onde transportava os barretes e adormeceu. Horas depois, quando acordou, ergueu-se

Ver mais…


dragão - Os Quatro Irmãos Habilidosos Os Quatro Irmãos Habilidosos

Um pobre homem que, como não tinha nada para oferecer aos seus quatro filhos, pediu-lhes para irem mundo fora e aprenderem um ofício. Os quatro irmãos despediram-se do seu pai e partiram. Ao chegar a um cruzamento, decidiram separar-se, mas combinaram encontrar-se nesse mesmo lugar passados quatro anos. O irmão mais velho encontrou-se com um homem que lhe perguntou onde é que ele ia.

Ver mais…


gato - O Gato das Botas O Gato das Botas

Há muito tempo atrás morreu um moleiro que tinha três filhos. Era pobre, mas deixou uma coisa para cada um. O mais velho herdou o moinho, o filho do meio um burro e o mais novo um gato. O mais velho tornou-se moleiro como o pai, o segundo partiu na garupa do burro à procura de fortuna e o mais novo sentou-se a chorar.

Ver mais…


serpiente chibi - A Bela e a Cobra A Bela e a Cobra

Era uma vez um rei que tinha três filhas, uma das quais era muito formosa e ao mesmo tempo dotada de boas qualidades. Chamava-se Bela. O rei tinha sido muito rico, mas, por causa de um naufrágio, ficou completamente pobre. Um dia foi fazer uma viagem; antes porém perguntou às filhas o que queriam que ele lhes trouxesse. – Eu, disse a mais velha,

Ver mais…


Rainha das Almofadas de Carolina Siqueira Rogeski Pereira galeria do texto infantil - Rainha das Almofadas Rainha das Almofadas

Eleonor vivia em um reino não tão distante, muito quentinho e confortável, reino que todos conheciam, chamado de Camolândia. Eleonor era princesa deste reino e não havia outro lugar em que ela preferisse estar. Lá ela podia ser o que quisesse, fazer coisas que seriam impossíveis de se fazer em outro lugar qualquer. Eleonor gostava de tudo em seu reino, mas o seu lugar

Ver mais…


el sastrecillo valiente - Alfaiate Valente Alfaiate Valente

Há muito, muito tempo, um alegre alfaiate de quem todos gostavam, porque era muito bom e generoso, ainda que as pessoas não o levassem muito a sério, porque era um grande gabarolas e tinha o hábito de exagerar quando contava as suas aventuras. Um certo dia, o alfaiate estava a coser, muito contente porque lhe tinham oferecido um bolo, que ia comer quando acabasse

Ver mais…


pinto careca - Chanfrisco, o Pinto Careca Chanfrisco, o Pinto Careca

Chanfrisco era o nome daquele pintainho careca, do qual a minha avó costumava contar a sua história. Com apenas três dias e algumas horas, Chanfrisco era um pintainho diferente de todos os seus irmãos. Era aventureiro e desobediente às ordens da sua querida mãe. Esta tinha por hábito, todos os dias de manhãzinha, ir dar uma volta pela quinta, à procura de alguns bichitos

Ver mais…


palacio - A Menina e o Bicho A Menina e o Bicho

Era uma vez um homem que tinha três filhas. Eram todas muito amigas dele, mas havia uma que ele estimava mais. Foi um dia à feira e perguntou às filhas o que é que elas queriam de lá. Uma delas disse: – Um chapéu e umas botas! A outra disse também: – Um vestido e um xaile! Mas a que ele estimava mais não

Ver mais…