Contos Infantis




Eram sete e meia da manhã, quando a Joaninha abriu a porta da cozinha, onde a mãe preparava o pequeno-almoço. Trazia num pé uma meia branca e uma sandália. O outro pé estava descalço e ela vinha com a outra sandália na mão.

“Mãe”, disse a Joaninha, “eu procurei por toda a parte, mas não consigo encontrar a outra meia.”

“Não sei o que hei de fazer contigo”, replicou a Dona Gilda, descontente. “A semana passada, já perdeste uma das meias novas azuis que eu te tinha dado. Andas muito descuidada. Pensa onde é que puseste a outra meia, quando te descalçaste, ontem á noite. E despacha-te, se não chegas atrasada à escola.”

A Joaninha foi para o quarto mas com pouca esperança de encontrar o que tinha perdido. “Mas eu pus as duas juntas em cima desta cadeira, quando me fui deitar. Nunca se consegue encontrar as coisas no mesmo sítio onde ficaram”, resmungou de má vontade, enquanto procurava em todos os cantos.

“Mãe, mãe!” gritou ela de repente, lutando contra as lagrimas que lhe vinham ao olhos. “Encontraste?” perguntou a mãe. quando a Joaninha apareceu à porta. Esta abanou a cabeça.

“Então”, disse a mãe, “tenho muita pena, mas tens de calçar a azul. Se usares estas duas meias, pelo menos é um par que não fica perdido. Eu sei”, acrescentou ao ver a cara espantada da filha, “que não é bonito andar com uma meia azul e outra branca. Mas talvez isso te ajude a prestares mais atenção para próxima vez.”

Antes de a Joaninha responder, a mãe meteu-lhe a meia azul na mão e voltou aos seus afazeres. Agora, com lágrimas, a Joaninha viu que não lhe restava senão calçar as “camaradas desemparceiradas”. “Todos se vão rir de mim, quando me virem aparecer assim”, disse a Joaninha ao dar à mãe o beijo de despedida. “Lamento muito”, replicou a Dona Gilda. Mas tinha de se manter firme se queria ajudar a Joaninha a perder os maus hábitos. Finalmente, esta pôs-se a caminho da escola. Os seus sentimentos eram verdadeiramente singulares, Ia estudando a maneira de enveredar por um caminho onde não encontrasse ninguém. Assim, trepou por cima de uma cerca que rodeava um grande prado, e correu em direcção à escola. Mas não podia deixar de pensar nos colegas e nas meias.

“Preferia não ir à escola,” pensou a Joaninha, continuando a andar. Quando estava quase a chegar, lembrou-se que poderia ir descalça. Havia outras crianças que iam descalças para a escola. Assim, ninguém veria as meias diferentes. A Joaninha sentou-se numa grande pedra e desatou os sapatos. Depois de desapertar a correia, tirou a meia azul, e depois a branca. Para sua grande surpresa, apareceram-lhe duas meias brancas na mão. E que a meia perdida, estava metida dentro da que ela acabava de descalçar. Era verdadeiramente incrível! Daí a algum tempo, ela concluiu que tinha calçado uma meia por cima da outra, sem dar por isso.

“Não admira que não fosse capaz de a encontrar!” pensava a chorar e a rir ao mesmo tempo, enquanto calçava rapidamente as duas meias brancas. Mas pós a azul na pasta, para não a perder. “Não quero perder mais meias, para não ter de calcar uma de cada cor. Mas agora era mais do que tempo de chegar A escola.

seamless socks background 23436299 - Onde estava a meia perdida? Onde estava a meia perdida?

Eram sete e meia da manhã, quando a Joaninha abriu a porta da cozinha, onde a mãe preparava o pequeno-almoço. Trazia num pé uma meia branca e uma sandália. O outro pé estava descalço e ela vinha com a outra sandália na mão. “Mãe”, disse a Joaninha, “eu procurei por toda a parte, mas não consigo encontrar a outra meia.” “Não sei o que

Ver mais…


Os Ilustres - Os Ilustres Os Ilustres

Um jovem rei encarregou uma equipa de sábios de escrever uma História dos Homens ilustres do Reino. Estes lançaram-se ao trabalho com afinco, investigando nas bibliotecas do reino. Ao final de muitos anos, apresentaram ao rei um conjunto de quarenta volumes. Mas o rei já estava com sessenta anos. Não teria tempo para ler tantos livros. Pediu-lhes então o seguinte: — Por favor, reduzam

Ver mais…


circo - O Último O Último

Nossa Senhora, com o Menino Jesus ao colo, decidiu descer à terra e visitar um grupo de crentes reunidos na sua paróquia. Orgulhosos, formaram uma grande fila para lhe prestar homenagem. Um jovem poeta declamou belos poemas, um adulto mostrou as suas lindas pinturas, um cantor pegou na guitarra e cantou uma bela melodia, um pianista tocou uma peça de música clássica. E assim,

Ver mais…


caperucita roja 803485 - O Capuchinho Vermelho O Capuchinho Vermelho

Era uma vez uma linda menina que vivia numa aldeia do bosque e de quem todos gostavam muito por ser muito boa e simpática. Um dia a mãe fez-lhe um capucho vermelho para ela levar para a escola. No trajecto e como era hábito, a menina cumprimentava os animaizinhos, pois conhecia-os e era amiga de todos. Ao vê-la tão bonita com o seu novo

Ver mais…


MARTELO2 - O Julgamento O Julgamento

Depois de uma vida simples, uma mulher morreu e encontrou-se a fazer parte de uma fila enorme de pessoas que desejavam entrar no Paraíso. A medida que se aproximava da porta, ia ouvindo mais claramente as palavras do Senhor. A um disse: — Tu socorreste-me quando estava ferido na estrada e levaste-me ao hospital. Entra no Paraíso. Disse a outro. — Tu fizeste um

Ver mais…


images - A Bilha de Leite A Bilha de Leite

Há muitos anos, quando as pessoas simples iam vender os seus produtos às feiras e com o dinheiro comprar alguma coisa, lá ia uma jovem com uma bilha de leite à cabeça. Enquanto caminhava, fazia os seus cálculos: — Já sei o que irei fazer com o dinheiro que me derem por esta vasilha de leite. Com o dinheiro comprarei alguns ovos. Não serão

Ver mais…


folha verde 8614582 - A Folha Orgulhosa A Folha Orgulhosa

Era uma vez uma folha que não se dava bem com as suas companheiras. Era mesmo muito egoísta e orgulhosa. Julgava-se a mais importante de todas. E sonhava em deixar as companheiras e ir passear pelo mundo. Uma manhã em que fazia muito vento, as folhas agarravam-se umas às outras para não se separarem da árvore. Mas a folha orgulhosa aproveitou a ocasião para

Ver mais…


OS FRUTOS - Os Frutos Os Frutos

Uma vez, uma mulher viu na floresta, junto a umas árvores, um pequenino lago ou espelho de água. Olhou para dentro e viu belos frutos maduros que pareciam dizer-lhe: «Tomai-me e comei-me!» Estendeu o braço e mergulhou a mão na água para os colher mas desapareceram. Depois a água voltava a ficar límpida e apareciam de novo os saborosos frutos. E a mulher foi

Ver mais…


serpiente chibi - A Bela e a Cobra A Bela e a Cobra

Era uma vez um rei que tinha três filhas, uma das quais era muito formosa e ao mesmo tempo dotada de boas qualidades. Chamava-se Bela. O rei tinha sido muito rico, mas, por causa de um naufrágio, ficou completamente pobre. Um dia foi fazer uma viagem; antes porém perguntou às filhas o que queriam que ele lhes trouxesse. – Eu, disse a mais velha,

Ver mais…


comida 1045 - A Helena e o Arnaldo A Helena e o Arnaldo

A Helena e o Arnaldo têm uma surpresa. A pequena Helena, de sete anos, lançou impetuosamente a maça mordida, por cima da vedação que dava para o prado. “Não quero saber mais de ti!” Foram as palavras que acompanharam a sua acção. “Estás a falar comigo?” perguntou o irmão de cabelo ruivo, dois anos mais velho. “Não, senhor russo, estava a falar só com

Ver mais…